Denominação de origem CAVA

A D.O. Cava tem seu início no ano de 1972 com a criação da Denominação Específica dos Vinhos Espumantes e seu Conselho Regulador, uma de cujas secções correspondia ao Cava, para o qual foi estabelecido um registo específico de produtores do mesmo.

No dito registro se inscreveram todas aquelas indústrias que o desejaram - e que se sujeitaram à definição do processo tecnológico de elaboração exclusiva definido por esta regulamentação, para que o produto pudesse chamar-se Cava - distribuídas por grande parte do território espanhol. Com a entrada da Espanha na União Europeia todos os vinhos com Denominação de Origem passaram a ser considerados vinhos de qualidade produzidos em uma determinada região 'vqprd', embora o Cava não fosse D.O. nem produzido numa região determinada, todavia por uma ordem de 27 de fevereiro de 1986 foi delimitada uma zona de produção tradicional. Em um de março desse mesmo ano, a Espanha passa a fomar parte da União Europeia e, por conseguinte, nosso Cava fica protegido e coberto pelas disposições e regulamentos da UE e é considerado como um vinho espumante de qualidade produzido em uma região determinada "vqprd".

Em 1991 foi promulgado o novo regulamento próprio da Denominação de Origem e em 1993 foi constituído o primeiro Conselho Regulador do Cava em conformidade com o novo regulamento e as disposições da União Europeia.
Ainda que a região do "Cava" seja composta por municípios e enclaves localizados em várias regiões do nosso país, sem dúvida alguma, a zona vinícola do Penedés é a que concentra a maior produção deste vinho, destacando-se a Vila de Sant Sadurní d'Anoia, com mais de 70% da produção anual.

As variedades de uvas da origem Cava são:

Em Brancas: Macabeo (Viura), Xarel, Parellada; estas se consideram as principais e as três costumam fazer parte dos vinhos base. Também se utilizam a Subirat ou Malvasia Riojana e a Chardonnay.

Em Tintas: a Garnacha e a Monastrel. E para a produção de Rosés Cava estão autorizadas a Pinot Noir e a Trépat.

O Cava é um vinho muito apreciado e de reconhecido prestígio no mercado mundial do vinho, cujo controle de qualidade é permanentemente supervisionado pelo Conselho Regulador do mesmo, responsável por atestar que é um produto genuíno. Nos cavas brancos as suas características organolépticas são determinadas por apresentarem geralmente uma cor amarelo palha esverdeado, com matizes douradas para os de maior envelhecimento, com a presença de bolhas, que devem ser pequenas, abundantes, contínuas e com desprendimento vertical formando uma delicada coroa na parte superior da copa. As gamas aromáticas dos cavas são basicamente secundárias (fermentativos) e terciárias (envelhecidos), tendendo a destacar os aromas herbáceos e de bolos doces com toques de fruta branca madura. Os de maior maturação mostram um buquê mais complexo por seus aromas de manteiga, mel e frutos secos.





Retorno